MENU

17 de março de 2013 - 17:10Análises, Automobilismo

Kimi ganhou, fácil

Depois de um campeonato espetacular como o de 2012, com corridas emocionantes praticamente do começo ao fim, o GP da Austrália frustrou um pouco as expectativas. Não que tenha sido uma prova ruim, mas nem de longe trouxe ao público as mesmas emoções que uma corrida no Albert Park normalmente proporciona. Apesar de alguns momentos interessantes, foi um GP morno.

Mas quem não estava nem aí se a corrida foi emocionante ou não foi o vencedor, Kimi Raikkonen. Por sinal, o finlandês deixou claro que foi uma das vitórias mais fáceis de sua carreira. O baixo consumo de pneus de sua Lotus foi fundamental para que conseguisse seguir à risca a estratégia de apenas dois pit stops. Enquanto praticamente todo mundo se debatia com enormes dificuldades em manter seu carro na pista com compostos que viravam farelo rapidamente, mesmo trocando uma vez a mais, Kimi pode manter uma tocada tranquila, segura, e ainda conseguiu acelerar mais no final, quando sofreu um ataque mais sério de Fernando Alonso.

Mas, apesar das aparências, foi Kimi quem tornou a corrida fácil. Principalmente nas primeiras voltas, quando evitou perder tempo atrás da Mercedes de Lewis Hamilton, que segurava seu ritmo consideravelmente. O finlandês partiu para o ataque e fez uma bela manobra por fora, evitando todo o prejuízo para sua corrida que aquela perda de tempo poderia trazer. Assumiu o risco no momento certo e, me arrisco dizer, ganhou a corrida ali.

Ao contrário de Felipe Massa que, por mais que tenha ido muito bem no final de semana, acabou fora do pódio justamente por não ter conseguido ultrapassar a Force India de Adrian Sutil durante seu terceiro stint. Ficou encaixotado, perdeu um tempo precioso e teve de se contentar com a quarta posição. Porém, o saldo do GP da Austrália é muito positivo para o brasileiro. Fez uma excepcional largada, saltando de quarto para segundo, segurou o forte assédio de Alonso com personalidade, atacou o então líder Sebastian Vettel e só perdeu posições no pit stop, quando o engenheiro de seu companheiro de equipe deu o pulo do gato antecipando seu segundo pit stop.

Levando em consideração que Massa normalmente não vai bem no Albert Park, seu desempenho na corrida foi um indicativo que vem aí uma bela temporada. Junto a Kimi, Sutil e Alonso, foi um dos melhores da prova. Felipe comportou-se como um top driver, tal qual já fora entre 2006 e 2008, quando colecionou vitórias e chegou a brigar pelo título mundial.

Mas quem sai de Melbourne bastante preocupado é Sebastian Vettel. A Red Bull, embora veloz, apresentou um lamentável consumo de pneus. Com apenas cinco voltas, seu companheiro Mark Webber já adentrava os boxes para livrar-se dos supermacios. Duas voltas depois, foi sua vez. Mesmo com pneus médios, com menos de 10 voltas seu ritmo de corrida já não era mais o mesmo. Lotus, Ferrari e até mesmo Mercedes demonstraram cuidar melhor de suas borrachas do que a Red Bull. Ainda que tenha um carro rápido, foram os maus tratos com os compostos da Pirelli que deixaram Vettel muito longe de brigar pela vitória.

E, mais preocupada do que Vettel, está a McLaren. O desempenho de seus carros na corrida de ontem beirou o patético. Jenson Button e Sergio Pérez não foram competitivos em momento algum, andando o tempo todo no meio do pelotão e terminaram em nono e 11º. A equipe saiu da corrida com a pecha de ter sido a pior das que utilizam motores Mercedes, atrás até da Force India. Algo indigno para uma marca tão vencedora. Já há quem cogite que o time possa resgatar o carro do ano passado enquanto tenta salvar o projeto deste ano. Se é que há salvação.

E os outros vexames da Austrália ficaram por conta de Williams e Caterham. Depois de ter renascido em 2012, a outrora multicampeã parece ter voltado para o buraco. Pastor Maldonado reclamou do carro o fim de semana inteiro, tachando-o de “indirigível”. Novato, Valtteri Bottas ficou mais quietinho, mas não teve condições de fazer nada na corrida e terminou numa constrangedora 14ª posição. Lamentável pra um time que ganhou corrida no ano passado.

A Caterham, que trocou pilotos experientes pelos pagantes Charles Pic e Giedo van der Garde, já deve ter se arrependido da escolha que fez. De “menos pior” das equipes mais jovens até o ano passado, a equipe saltou direto para a lanterninha da F1. Os dois pilotos tiveram atuações próximas de vergonhosas, demonstrando que são tão fracos quanto já se imaginava.

E, em paralelo, Jules Bianchi fez uma bela corrida de estreia pela Marussia. Foi o melhor dentre os quatro carros mais lentos mas, mesmo assim, conseguiu fazer a 11ª melhor volta da prova, apenas 0.045 mais lento que Sebastian Vettel. O franchola é bom e já chegou dando carteiraço. Diferentemente de Esteban Gutiérrez, que mesmo pilotando uma Sauber, foi discreto. Seu conterrâneo mais veloz, Pérez, vai deixar saudades na equipe suíça.

A corrida termina indicando que teremos um campeonato equilibrado, mas talvez com provas não tão emocionantes quanto no ano passado. Red Bull, Ferrari e Lotus parecem estar acima das demais, separadas por pequenas diferenças. Num segundo nível, aparecem  Force India e Mercedes, que podem dar o pulo do gato na estratégia e beliscar uma vitória aqui e ali. McLaren, Sauber e Williams estão bem mais distantes, o que é uma pena.

De toda forma, foi apenas uma prova, muito cedo ainda para talhar análises definitivas. Domingo que vem, na Malásia, será possível ter uma noção melhor das relações de forças em 2013. Se não chover, lógico.

Comentários do Facebook

comentários

17 comentários

  1. André França disse:

    Elogio gratuito: esse aqui seria o melhor blog sobre automobilismo se tivesse atualizações na frequência que tem o do FG…
    Posições sensatas, sem extremismos, análises “fora da caixa” quando comparados com a maioria do que se lê sobre F1 por ai.
    Por outro lado, difícil manter o nível dos textos com atualizações diárias.
    De qualquer maneira, nada de castigos tão longos sem atualizações por aqui, heehheeh

  2. Preto disse:

    Bem vindo Capelli ! Sem puxa saquismos,mas tuas análises são bastante convincentes.Tenho uma dúvida .Voce acha que o Kimi venceria,caso o Sutil não tivesse segurado Vettel,Massa e Alonso?Na minha modesta opinião,sim, visto que os tempos que ele vinha fazendo quando os seguia,eram sempre melhores que eles.abs.

  3. Welington da Cunha Leal Junior disse:

    E sua cachorrinha Kimi , ficou feliz com a vitoria?

  4. bruno disse:

    Bem vindo de volta à vida Capelli. A diferença do GP da Australia para os do ano passado é que as disputas se ficaram na frente e no meio do grid não tivemos brigas. No ano passado acontecia de a corrida definida na frente e termos um meio de grid embolado e com muitas brigas, e sendo a graça da corrida, até porque as diferenças entre as equipes eram muito pequenas. Esse ano, parece que as forças estão bem definidas entre equipes que brigarão pelo título (Ferrari, Red Bull e Räikkönen), que brigarão por vitórias e pódiuns (Grosjean, Mercedes e Force India), que brigarão por pontos (McLaren por enquanto, Williams e Toro Rosso), e as que brigarão pra não falir (Caterham e Marussia).

  5. Rodrigo Pereira disse:

    Muito boa a análise da corrida! Na minha opinião, a mclaren ainda vai crescer, Hamilton e Rosberg vão dar trabalho com a Mercedez. as equipes ainda vão se acostumar com o desgaste dos novos compostos de pneu. O cadeião será espetacular!

  6. Pedro Jungbluth disse:

    Discordo, foi uma ótima corrida. Não teve sortes e azar, foi algo estratégico. Se isso não foi uma ótima corrida não sei o que é. Se tivesse tido milhares de acidentes ia ter sido classificada como “melhor dos últimos tempos” ou alguma bobagem assim. Esportivamente, não podia ter sido melhor, ganhou quem trabalhou melhor e foi mais competente na corrida.

  7. Paulo disse:

    capelli , bom ter voce de volta.

  8. Silva disse:

    Sobre Maldonado, apenas completo que o mesmo pisou na grama ao final do retão, tentando abrir ao máximo a curva (como se pilotasse uma carreta. né!). Repara a manobra: http://www.youtube.com/watch?v=R06hhUyqRLs

    Sobre o Bianchi, apenas completo colocando que a Force India perdeu a grande chance de ter na mão não apenas um, mas dois pilotos de ponta. Convenhamos, Di Resta é bem mediano.

  9. Alemão disse:

    Capelli…”O desempenho de seus carros na corrida de ontem beirou o patético.”
    A corrida foi hoje….
    Sds

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>