MENU

2 de setembro de 2012 - 16:17Análises, Automobilismo

Embolou

Romain Grosjean, totalmente sem noção, certamente não tinha ideia do tamanho da confusão que estava causando na largada do GP da Bélgica. Confusão essa que teve duas acepções: a literal, provocando um acidente múltiplo que há muito não se via na Fórmula 1, e a figurada, já que provocou o primeiro abandono de Fernando Alonso na temporada. Com isso, não só vários carros ficaram embolados na curva La Source: o campeonato mundial também embolou.

Os piores resultados possíveis para o espanhol da Ferrari, matematicamente falando, seria um abandono seguido de uma vitória de Mark Webber ou de Sebastian Vettel. Não aconteceram, mas o segundo pior cenário se configurou: um segundo lugar de Vettel. Com isso, o alemão da Red Bull deixou seu companheiro para trás na classificação do campeonato e ainda descontou 18 pontos de Alonso. A vantagem é, agora, de 24 pontos. Considerando que a Ferrari não tem o melhor carro e que Red Bull e McLaren parecem um passo à frente dos italianos, é uma diferença pequena se considerarmos que há ainda oito corridas para o final da temporada.

O pódio do atual bicampeão do mundo, também, influencia muito no fator anímico. Se alguém ainda tinha dúvidas se o adversário direto de Alonso era mesmo Vettel ou Webber, o GP de Bélgica trouxe as respostas necessárias. Sebastian está em grande forma e fez uma corrida espetacular. Foi prejudicado pelo acidente da largada, caindo de 10º para 12º lugar, mas foi ultrapassando os adversários um a um até chegar à segunda posição. Tivesse obtido uma melhor posição de largada no sábado, poderia ter sido uma ameaça real à vitória de Jenson Button.

Aliás, cabem aqui elogios ao inglês da McLaren, que parece ter recuperado a velha forma. Depois de uma dezena de corridas decepcionantes, Button voltou a apresentar o desempenho que se esperava de um campeão como ele. Largou na frente e dominou a corrida de ponta-a-ponta – primeira vitória assim na F1 desde o GP da Índia do ano passado -, sem dar chances a ninguém. Foi preciso nas voltas rápidas, poupou pneus para poder trocá-los apenas uma vez e fez até uma vitória em Spa parecer fácil, o que nunca é. Pena que está atrás demais para brigar realmente pelo título. Só poderá fazê-lo se emendar uma sequência doida de vitórias, o que é bastante improvável.

Sequência de vitórias que também será necessária a Lewis Hamilton, outra vítima da vaca-louca de Genebra. Com três abandonos nas últimas cinco corridas, a missão do inglês fica muito difícil na briga pelo título. Ainda que a McLaren tenha se mostrado dominante nas últimas duas corridas, a diferença de quase 50 pontos é grande demais. Precisará torcer por muitos resultados paralelos.

Quem vem comendo pelas beiradas é Kimi Raikkonen. Ainda que não tenha brigado pela vitória hoje, como se esperava, subiu ao pódio outra vez. Foi seu quarto pódio em cinco corridas e, nesse ritmo mineirinho, já é quarto na classificação, apenas um ponto atrás de Mark Webber. Junto com Alonso, é o piloto que mais vezes chegou entre os três primeiros na temporada (seis), e bastará uma vitória – que já bate há tempos na trave – para ingressar de vez no G3. A temporada de Kimi na Lotus me lembra muito o que fez Heinz-Harald Frentzen com a Jordan em 1999, o “underdog” que conseguiu chegar até a penúltima corrida com chances reais de título. A ver.

O GP da Bélgica também foi marcado pelos bons desempenhos dos brasileiros. Felipe Massa terminou em quinto e cumpriu sua principal missão: roubar pontos dos adversários. Segurou Mark Webber com maestria, fez boas ultrapassagens e ainda brigou bastante com Vettel. Se não é mais um piloto do primeiro escalão, ao menos Felipe vem mostrando ser um bom escudeiro. Isso, na Fórmula 1, não é pouca coisa.

Bruno Senna, por outro lado, andou o tempo todo entre os primeiros, chegando a aparecer inclusive na quarta posição. Porém, uma estratégia de pneus absurda da Williams destruiu sua prova. Vinha se arrastando sem pneus nas voltas finais quando a equipe o chamou para uma parada extra, o que tirou totalmente suas chances de pontuação. Acabou num decepcionante 12º posto, embora tenha merecido muito mais do que isso.

Não que sirva de consolo, mas ao menos Bruno foi muito melhor que seu companheiro Pastor Maldonado. O venezuelano parece ter ganho uma confiança nociva depois da vitória na Espanha e vem acumulando bobagem atrás de bobagem desde então. Ainda que tenha conseguido uma espetacular terceira posição no grid, perdeu três posições por ter bloqueado Nico Hulkenberg na classificação. Em sexto, tentando recuperar o prejuízo, foi afobado e queimou a largada. Na confusão provocada por Grosjean, foi tocado por Alonso e acabou perdendo diversas posições. Voltou para a corrida lá de trás, e já na relargada bateu com a Marussia de Timo Glock. Com isso, ganhou um combo de punições para Monza: cinco posições pela queimada e mais cinco pelo acidente.

Falando em punições, o ataque kamikaze de Grosjean teve consequências sérias: o franco-suíço foi suspenso do GP da Itália e não poderá disputar a prova. É o primeiro piloto a receber uma pena assim na Fórmula 1 em 18 anos. O último havia sido Mika Hakkinen, que levou um gancho de uma prova depois de provocar um salseiro parecido na largada em Hockenheim, em 1994. E aqui não cabe nem discussão: o piloto da Lotus merece o gancho. Ainda que se classifique bem e faça um bom campeonato, já são incontáveis os problemas causados por ele nas primeiras voltas das corridas este ano. O guri tem talento, só precisa ser menos afobado.

O acidente poderia ter tido consequências ainda mais sérias. A forma como sua Lotus voou na direção da Ferrari de Fernando Alonso foi muito perigosa, passando por sobre o cockpit do espanhol. Fosse, mais alguns centímetros para trás, seu carro teria atingido em cheio a cabeça do espanhol. Grosjean assumiu um risco desnecessário e merece a pena aplicada.

O saldo final do GP da Bélgica foi positivo, pensando num campeonato disputado, ainda que a corrida não tenha sido tão boa como costuma ser em Spa. Para a média do campeonato, foi um GP morno. Uma pena, mas talvez as equipes já tenham finalmente entendido como funcionam os compostos da Pirelli e essa pode ser a tendência para o resto do campeonato. Semana que vem, em Monza, será possível analisar melhor.

Comentários do Facebook

comentários

28 comentários

  1. alf disse:

    Capelli, o post sobre o GP da Itália sai hoje ou não ?

    Grato !

  2. Claro que um acidente nunca é bom, mas saber que o campeonato está disputado é ótimo. É assim mesmo que as coisas têm que ser. Saber quem vai ser o vencedor muitas rodadas antes não tem graça. O melhor é esse “friozinho na barriga”, de quem nunca sabe o que vai acontecer. Acho isso positivo e bastante benéfico.

  3. Antonio disse:

    “Tivesse obtido uma melhor posição de largada no sábado, poderia ter sido uma ameaça real à vitória de Jenson Button.”
    Acho que não. Se o Vettel tivesse largado em posição melhor provavelmente teria sido mais uma vítima do Grosjean.

  4. Rnato Fulli disse:

    Sou fã assumido de Rubens Barrichelo, deixo meu para que ele retorne a formula 1 está fazendo muita falta, imaginem um piloto responsavel como ele na Lotus de Romain Groean, teria salvado a temporada em parceria c/ Kimmy Raikonnem, estaria muito mais equilibrada.

  5. Raoni Boaventura disse:

    “A temporada de Kimi na Lotus me lembra muito o que fez Heinz-Harald Frentzen com a Jordan em 1999.”

    Acho que não precisa ir tão longe para encontrar um caso semelhante… Em 2008 Robert Kubica manteve-sena briga pelo campeonato até a penultima prova na base da constancia, com uma BMW que não tinha a menor chance contra as Ferraris nem as Mclarens daquele ano…

    Queria ver o Kubica de novo na F1. Se ele estivesse com o mesmo carro do Raikkonen agora (que era para ser dele, não fosse o acidente), com certeza estaria dando show… :/

  6. Aurélio Ferry disse:

    Ei Capelli, uma dúvida, o Massa não sofreu uma suspensão na temporada de 2002, quando corria pela Sauber? Acho até que foi injusta, mas se eu não me engano isso ocorreu.

  7. Clércio Antonio Alves disse:

    Assisti a corrida pela Globo e gostei, o que mais me empolgou foi a ultrapassagem de Kimi em cima do Shumaker na entrada da Lan Rouche, não é pra qualquer piloto, nem Shumi esperava, foi sensacional…..
    Quem pisou na bola legal foi o canal Sportv que -passou o tape da corrida às 23,30 hs e por purao amadorismo não mostrou esse fato, demais, gostei muito do Bruno, pena que a equipe não troucou os pneus na hora certa.

  8. Mauricio disse:

    Você faz falta por aqui Capelli. Você é o contraponto entre a ironia raivosa do Flávio e a porraloquice do Vitor. Faz falta.

    Porém o Circo da F1 é, como diz o nome, um circo. Sem os palhaços não tem graça. O problema é controlar esses palhaços. Este ano estão sendo o Maldonado e o Grosjean. Eles tem fazer as suas graças, porém existem limites.

    Colocar a segurança das provas em risco com a desculpa da necessidade da disputa é coisa de gente limítrofe.

    O próprio Alonso define bem o que se precisa para ter uma F1 compatível: Cabeça no lugar. Cada piloto tem de se responsabilizar pelos problemas que causa.

    Acho o gancho que o Grosjean levou pequeno. O Hamilton ficou quieto porque também tem culpa e esta evitando levar algum respingo agindo de bom moço. Ele também devia ter sido punido.

    • Bruno Bertolo disse:

      Hamilton tem culpa onde no acidente? Não tinha para onde ele ir. Só se apertasse o botão de teletransporte, pois nem frear resolveria a situação (na verdade complicaria, já que facilitaria a decolagem provocada pelo toque entre as rodas).

      Não gostar do inglês é um direito. Mas querer culpá-lo pelo acidente de Spa é demais…

    • Gerhard Berger disse:

      Maurício, nota 10 pro comentário em que o Capelli é o contraponto entre a ironia raivosa do Flávio e a porraloquice do Vitor e que, por isso, ele faz falta.

      O Vitor é muito bom, mas ás vezes, se perde no vazio…rsrsrs
      O Flavio é competente, mas está sempre com raiva de tudo e de todos…
      O Capelli equilibra mesmo….pena que escreve pouco.

      …E talvez seja isso que o torna mais equilibrado que os outros…

  9. Jader disse:

    O Maldonado falou que queimou a largada porque a embreagem do carro teve problemas. Se é verdade, bom, aí só verificando na telemetria.

  10. O MALDONADO tambem merecia um Gancho, a FIA poderia adotar o sistemas de pontos na Superlicenca, excedendo o limite, o piolto receberia um Gancho, nessa o Bottas ja teria pilotado no lugar do venezuelano.

  11. Leonardo disse:

    Capelli,
    O Massa não estava suspenso do gp dos EUA/2002 quando foi substituido pelo Frentzen na Sauber? Ou foi a própria Sauber que o tirou da corrida por insatisfação?

  12. Bruno S. Pacheco disse:

    Só uma correção, Capelli. Quem levou o gancho foi o Eddie Irvine!

    http://www.youtube.com/watch?v=cxFTg38Si4k

    No mais, foi bem isso, mesmo…

  13. Joao Vivaldo disse:

    O site ressuscitou!!!!

  14. Gerhard Berger disse:

    Button venceu após as férias de fim de ano e agora, após as férias de meio de ano.

    …Será que ele precisa de muito descanso pra se sentir renovado pra vencer??
    Deêm mais descanso pro rapaz….rsrsrsrs…

  15. Enzo disse:

    O caso do Senna não foi estratégia e sim um pneu furado, do contrário, ele teria ficado até o fim da corrida. Só achei estranho que na 1º parada dos boxes, perdeu mto tempo.

  16. Só discordo em relação à avaliação da corrida. Se a briga pela vitória foi sem-graça (muito por culpa do salsero do Groselha), as demais posições proporcionaram brigas bem interessantes, como a disputa pelo terceiro lugar que chegou a ter quatro carros e terminou na bela manobra do Kimi.

    No mais, foi isso mesmo a corrida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>