MENU

8 de julho de 2012 - 19:08Análises, Automobilismo

Afunilou

O campeonato nem chegou na metade ainda, as equipes continuam próximas e a Fórmula 1 está disputada de uma forma pouco vista nas últimas décadas. Porém, por tudo o que se viu no GP da Inglaterra hoje, já dá para dizer que o campeonato afunilou.

Ainda podemos (e devemos) ter surpresas nas próximas onze corridas restantes, mas o resultado de hoje, com vitória de Mark Webber, Fernando Alonso em segundo e Sebastian Vettel em terceiro, elevou os três à posição de reais postulantes ao título. Alonso é líder, com 13 pontos de vantagem para Webber e 29 para Vettel. Lewis Hamilton está em quarto, oito pontos atrás do alemão da Red Bull, uma distância que não chega a ser impeditiva, mas a McLaren parece já não mais ter fôlego para lutar pelo campeonato.

Jenson Button, que chegou em décimo, manteve o desempenho de rascunho do baita piloto que já demonstrou ser. Lewis Hamilton fez o que pôde, lutou até o fim, mas o oitavo lugar foi o máximo que deu para arrumar. Desde o começo do campeonato a McLaren só faz andar para trás. De melhor carro nas primeiras provas, hoje não passa de quarta ou quinta força, atrás da Lotus e, eventualmente, da Mercedes.

A corrida deixou bem clara a supremacia de Ferrari e Red Bull. Seus quatro carros dominaram a prova com certa facilidade, num ritmo superior aos demais adversários. Não é nenhuma diferença que nos impeça de ver ainda uma Lotus vencendo na temporada, mas a tendência é que a partir de agora os dois times comecem a concentrar as vitórias. O que dá um certo alento a Felipe Massa, que começou o ano de forma desastrosa e agora vai salvando a temporada. Com atuações consistentes desde o Canadá, hoje chegou em quarto lugar, sua melhor classificação desde o GP da Coreia do Sul de 2010, quando chegou em terceiro. Os pontos de Massa na Inglaterra foram importantes para a Ferrari, que pela primeira vez aparece em segundo lugar no Mundial de Construtores.

A Red Bull, que venceu a prova na estratégia, parece ter um carro superior ao da Ferrari. Porém, o talento de Alonso compensa as coisas, colocando a Ferrari à frente. O espanhol só não conquistou a terceira vitória no ano em razão de uma escolha errada de pneus. Guardou os macios para o último stint, acreditando que seria o piloto mais rápido da pista na fase final da prova. Porém, os compostos duros da Pirelli estiveram mais confiáveis e a estratégia de Alonso ruiu. Mesmo dominando a corrida nos dois primeiros terços, virou presa fácil no terço final, calçado com a borracha errada. O campeonato agradece. Tivesse vencido, como estava no script, Alonso teria aberto uma diferença de 27 pontos para Webber e 36 para Vettel. Seria uma diferença grande demais para um campeonato tão equilibrado.

Foi uma boa corrida, porém um pouco abaixo da média da temporada, que vem sendo excepcional. Além dos quatro primeiros, destaque para Bruno Senna, que chegou em nono em boa corrida de recuperação, depois de rodar no final de seu primeiro stint. E destaque negativo para Pastor Maldonado, que abalroou Sergio Perez de forma irresponsável. Depois da incrível vitória em Barcelona, ao invés de manter a segurança que demonstrou naquele dia, o venezuelano parece ter involuído. Se meteu em confusão em todas as corridas posteriores e vem acumulando inimizades com os colegas por sua agressividade excessiva. O ligeirinho estava furioso hoje ao fim da corrida, e com toda razão.

Maldonado é bom, mas erra a mão. Precisa ser mais inteligente.

Comentários do Facebook

comentários

12 comentários

  1. Alexandre disse:

    Que bagaça esse site, nunca é atualizado.

  2. Do Pandeiro disse:

    Ô Capelli, atualiza essa bagaça aí!

  3. alf disse:

    Capelli, todos estão aguardando sua opinião sobre o treino classificatório para o GP da Alemanha.

    Obrigado .

  4. É, apesar de Michael Schumacher ser um grande piloto, a verdade é que os campeonatos da Fórmula 1 ficaram muito mais disputados e equilibrados desde que ele anunciou sua aposentadoria (e, mesmo tendo voltado às pistas, não conseguiu emplacar de novo). Esta concorrência dá mais vontade de assistir às corridas e, como diz o texto do texto, “afunilou” mesmo, ficou mais bacana, a F1 está com um jeito mais esportivo. Por outro lado, ver a situação dos brasileiros não está muito fácil, porque eles estão deixando a desejar. Aliás, será que o Massa vai conseguir continuar na Ferrari ano que vem? Um ultimato foi dado no final do ano passado e ele não está mostrando tanto trabalho…tem que esperar as próximas corridas para ver o que acontece, mas não acredito que os brasileiros vão se destacar.

  5. Chinaski disse:

    Cedo pra tirar o resto da jogada. Aposto em 3 vitórias do Raikkonen (Alemanha, Hungria e Bélgica) e título do Iceman!

  6. Emerson disse:

    O que acontece com o blog que tá as moscas? Esqueceu dos seus leitores? Vou tirá-lo do meu leitor de rss.

    • BirdMan disse:

      Concordo. Era o blog/site mais bacanas sobre automobilismo na minha opinião, mas não sei o que acontece, o capelli para com ele quando dá na telha, não avisa ninguém… Falta de respeito!

  7. Murilo disse:

    Sinceramente acho cedo pra já afunilar decisão de campeonato.
    Mclaren ainda pode reagir com o Hamilton.
    Agora, eu quero ver as proximas 3 corridas: Se a RBR dominar, o titulo é do Vettel.

    Webber ganhou em Silverstone, tá em segundo no campeonato, mas a preferençia do time bovino sempre vai ser pro Vettel.

    Com relação a estrategia da Ferrari, se ela optasse pelos moles no segundo pit, poderia Alonso no final com os duros ter a chance de brigar com o Webber pela vitoria.

  8. Erick Breder disse:

    A tua colocação final foi interessante (Maldonado precisa ser mais inteligente), mas é exatamente nela que pode morar o problema. Porque parece-me que inteligência não é o ponto mais forte do Maldonado.

  9. Fernando Cruz disse:

    Realmente desde a sua vitória em Espanha o Maldonado já cometeu diversos erros por excesso de confiança, deitando fora pontos importantes para a Williams. Acho que seria melhor Alex Wurz ter uma conversa séria com o piloto venezuelano. No entanto, fazendo uma analogia com outros pilotos de grande agressividade, verificamos que Lewis Hamilton nunca mais foi tão consistente como na sua época de estreia na F1. Antes dele Ayrton Senna teve mais acidentes em 1989 do que no ano do seu primeiro título. Parece que os pilotos mais agressivos – sejam eles Grandes Campeões ou apenas talentos emergentes – têm por vezes tendência a errar mais logo após o primeiro grande sucesso.

    Pensando na segurança e no desportivismo, acho que Maldonado está a andar muito nos limites do aceitável, ultrapassando-os por vezes. Mas no acidente com Perez acho (e talvez a FIA tenha tirado essa conclusão através da telemetria) que terá sido surpreendido pelo facto de ter os pneus ainda frios, daí sair tão largo até bater no mexicano. Seja como for, pode e deve continuar a ser um piloto muito agressivo tendo mais cuidado nos duelos roda com roda. O seu estilo agressivo beneficia-o no aproveitamento dos pneus deste ano.

  10. Franco disse:

    Não penso que a estratégia da Ferrari tenha sido errada. O carro italiano é menos gentil com os pneus, o que justifica o uso dos compostos mais sensíveis quando o carro estivesse mais leve, com menos combustível no final da prova. O carro da Red Bull ainda é o melhor. Se a Ferrari e Alonso vão vencer é o que saberemos, acredito, só no último GP do ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>