MENU

12 de maio de 2012 - 19:14Análises, Automobilismo

Mudou tudo

Ih, podem esquecer os posts abaixos. McLareanos, cancelem a festa e coloquem o champanhe de volta na geladeira, as comemorações da 150ª pole ficam pra outra corrida. Lewis Hamilton foi desclassificado do treino de qualificação por ter abandonado sem gasolina. Pelo regulamento, é obrigatório retornar aos boxes e ter, ao menos, um litro de combustível para análise. Bailou.

Festa na Venezuela, Pastor Maldonado é pole com a Williams. Pena que tenha acontecido dessa forma, meio que no tapetão, mas o resultado é pra lá de merecido. Maldonado andou bem demais no treino e Frank Williams não poderia esperar presente melhor na comemoração de seus 70 anos.

A lamentar, mesmo, mais um erro grotesco da McLaren. Lewis fez uma pole com mais de meio segundo de vantagem sobre a galera, o que significa que não havia necessidade alguma de colocar tão pouca gasolina no carro. Tenha sido erro de avaliação ou erro de operação, o que fica evidente é que a McLaren tem errado demais nesta temporada.

Alijou Jenson Button da briga pela vitória na Malásia depois de uma troca desastrosa de pneus. Na China, fez um pit stop horrendo atrás do outro para Lewis Hamilton. Agora, na Espanha, uma cagada no cálculo de combustível no tanque ferrou com a vida do menino, que da pole se viu jogado para o último lugar na largada. Salvo algum grande milagre, está fora da briga pela vitória.

Hamilton é praticamente um filho da McLaren e dificilmente virá a público dizer qualquer coisa desabonadora sobre seu time. Mas que nas internas deve ter soltado o verbo, deve. E com absoluta razão. A McLaren fez um belo carro em 2012, mas parece estar se esforçando para não vencer. É uma bobagem atrás da outra.

Assim, fica difícil.

Comentários do Facebook

comentários

6 comentários

  1. Zé Fini disse:

    Concordo Capelli, acho que a McLaren está perdendo pra ela mesma. Está tropeçando nas próprias pernas.

    Até os pit-stop que o Whitmarsh disse que seriam diferentes, não sofreram tantas mudanças assim. Tudo bem que não foram tão ruins como nas corridas passadas, mas tbm não foram excepcionais como são os da Mercedes e RedBull. E até mesmo os da Ferrari nessa temporada.

    Acho que está na hora do Ron Dennis dá um “sacode” na equipe.

  2. Horse disse:

    Mais um erro da McLaren não precisava mandar o Hamilton para a pista com a tanque de combustível quase vazio, o inglês sobrou na pista não seria alguns litros a mais da gasosa que iria tirar a pole da equipe.

  3. Vitor disse:

    Capelli, o Hamilton tinha sim gasolina o suficiente para ser analisada no momento em que parou. 1,3 litros, segundo Whitmarsh. Seriam necessários mais pelo menos 1 e meio para dar para acabar a volta de retorno aos boxes com a quantidade estipulada pelo regulamento para análise.
    O que os comissários consideraram (corretamente) é que isso pode muito bem ter sido uma sacanagem, andar com 1 kg e pouco a menos no carro já com a intenção de parar assim que a volta fosse completada. E se tivessem percebido isso antes, como perceberam, não deveriam tê-lo deixado dar a volta lançada.

  4. Lucas R disse:

    Acredito que a excepcional volta marcada por Hamilton se deva a quantidade de combustível abaixo do necessário que seu carro carregava. Mais um erro para a coleção da McLaren. Mas não diria que o erro estaria no cálculo da equipe e sim na tentativa frustrada de tentar explorar uma brecha no regulamento.

    O que pode-se notar é que o piloto foi orientado a desligar o motor antes que o combustível acabasse. Ao menos é o que diz o site da McLaren, que registra todas as conversas entre piloto e equipe. Após o piloto fazer a pole, a equipe o orienta a voltar lentamente para os boxes e, mais tarde, para que o piloto pare e desligue o carro.

    Pit » HAM: “Fantastic job, Lewis. Great job. Pole position. A slow in-lap please.”

    Pit » HAM: “We need to stop the car. Please stop and switch off.”

    O regulamento sempre exigiu que o carro chegue com pelo menos 1L de combustível nos boxes, mas passou a exigir também que o carro chegasse até lá com suas próprias forças, para evitar que o ocorrido em Montreal 2010, em que o piloto chegou até lá com o motor desligado e apenas no “embalo” do carro, se repetisse.

    Como o carro não chegaria aos boxes com combustível suficiente e o carro não poderia ser levado até lá com o motor desligado, a equipe resolveu apelar para uma “parada de emergência”, que no fim das contas não “colou”. Resultado: prejuízo para o piloto no domingo.

    • Sanzio disse:

      Pôxa, se com 2 litros a menos de combustível, ele é meio segundo mais rápido que o segundo colocado, era pra ele ser 50 segundos mais rápido que o maldonado de tanque cheio! Menos, né gente… Beeeem menos!
      Como não existe mais reabastecimento, pra você abastecer o tanque do carro precisa tirar a tampa do motor e colocar a gasolina manualmente. Os caras fazem essa conta na risca, pro piloto ir lá, dar uma volta lançada, uma volta rápida e outra de retorno pro boxes e ainda sobrar mais de 1 litro, sendo que na lançada e de retorno o piloto tem de fazê-la de forma que economize o máximo de combustível. O que com certeza deve ter acontecido é que o Hamilton fez as 2 primeiras voltas de pé fincado e bebeu mais do que devia (o que é reincidente).
      Se soubessem que o segundo seria o Maldonado e a diferença seria tão grande, teriam logo metido 20 litros a mais no tanque, que mesmo assim o hamilton faria uma volta 0,3 mais rápida.

      • Lucas R disse:

        Mas a questão é que o carro poderia estar com uma diferença maior do que dois litros em relação aos demais. Afinal, não sabemos quanto o carro consome e nem quanto a mais ele precisaria para retornar aos boxes.

        Partindo do princípio que o consumo de um V8 é bastante alto, é bem provável que a quantidade que faltou tenha contribuído significativamente para o peso do carro sim.

        Dada a diferença de tempo para o Maldonado, se o Hamilton tivesse ido com mais calma, poderia ter feito a pole e sobrado combustível, mas isso é inviável, uma vez que ninguém em sã consciencia “corre devagar” quando o tempo de volta está em jogo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>