MENU

14 de fevereiro de 2012 - 13:37Automobilismo, Curiosidades

Mundo animal

Os ornitorrincos de 2012 não são novidade no que diz respeito à relação entre carros de Fórmula 1 e o mundo animal. Há tempos jornalistas e torcedores se utilizam de animais para batizar de forma carinhosa carros com formatos diferentes. Mas tal distinção não se aplica apenas às formas. Na história da categoria, equipes e patrocinadores também fizeram valer da imagem lúdica de animais para angariar alguma simpatia.

A seguir, um top 10 capellesco da fauna da Fórmula 1.

1. Shadow Leão (1979)

Em 1979, a equipe Shadow conseguiu um patrocínio da Samson, fabricante de papel para cigarros. Como o símbolo da marca era um leão e vivia-se o final dos anos 70, a ideia foi fazer um carro psicodélico, utilizando a imagem de um leão de fogo. Se já é ousado hoje, imagine para a época. O resultado estético é discutível, mas foi um trabalho artístico de primeira linha, feito à mão.

2. Ferrari Bico-de-Pato (1989-1991)

Em 1989, John Barnard (o Adrian Newey da época) inovou com um desenho radical para a Ferrari. O carro tinha laterais largas e uma frente estreita e reta, similar ao bico de um pato. A linha de Ferraris-Pato foi vencedora, tendo conquistado nove vitórias em Grandes Prêmios. Ganhou a corrida de estréia, no Brasil, e sua segunda geração, o modelo F1-90, levou Alain Prost ao vice-campeonato em 1990. Também entrou para a história por ter sido o primeiro carro com câmbio semi-automático na categoria.

3. Benetton Tubarão (1991)

Outra criação de John Barnard, que trocou a Ferrari pela Benetton em meados de 1990. Seu primeiro modelo para a equipe anglo-italiana, que estreou em 1991, também revolucionou a Fórmula 1, aprimorando o conceito de bico alto desenvolvido por Harvey Postlethwaite para a Tyrrell no ano anterior. Foi o primeiro carro com o aerofólio preso abaixo do bico por duas hastes, o que lhe rendeu o apelido de “Tubarão”. Também foi um carro vencedor, tendo ganho o GP do Canadá de 1991 com Nelson Piquet. Foi o primeiro da série de carros que culminou no bicampeonato de Michael Schumacher em 1994-95.

4. Jordan Cobra (1997)

Eddie Jordan chamou a atenção em 1997 com uma pintura bastante diferente para o carro de sua equipe. O Jordan 197 recebeu um tema bastante agressivo: uma cobra. Um belo desenho, com o bico do carro se transformando na cabeça de uma serpente e as hastes da asa dianteira virando suas presas. As laterais do carro representavam escamas e uma característica língua bifurcada saía da boca e se espalhava pela lateral do cockpit. Radical, ousado, bonito pacas.

5. Jordan Vespa (1998-2000)

Depois do sucesso da cobra em 1997, a Jordan mudou de tema no ano seguinte. O Jordan 198 virou uma vespa, ou uma “Buzzin’ Hornet”, numa alternativa criada pela equipe para substituir a marca dos cigarros Benson & Hedges nos países em que a legislação proibia propaganda tabagista. Tendo sido tema do carro que deu à equipe sua primeira vitória na Fórmula 1, as vespas deram sorte e continuaram representando a Jordan por mais dois anos.

6. Jordan Tubarão (2001)

Depois de cobra e vespa, a Jordan resolveu ser ainda mais agressiva em 2001, transformando seu carro num tubarão de dentes afiados. Foi o segundo tubarão da F1, mas diferentemente da Benetton, neste caso a semelhança estava mais era na pintura mesmo. Uma obra de arte que não deu certo: foi a temporada que marcou o início da derrocada do time, que acabou por ser vendido três anos mais tarde. A partir de 2002, Eddie Jordan abandonou os bichos.

7. Williams de Dentes-de-Sabre (2004)

Uma tentativa radical de inovação que não deu certo. A Williams de Dentes-de-Sabre, também conhecida como “Prestobarba”, foi um caminho que a equipe seguiu sozinha. Chamou a atenção nos testes pela diferença de abordagem no desenho dianteira do carro com relação às equipes rivais, mas ficou só nisso. O carro não era grande coisa e no meio da temporada o time já adotou uma solução mais convencional para o bico do carro. E foi com uma versão “normal” do modelo FW26 que a Williams conquistou sua última vitória na F1, com Montoya no Brasil, em 2004.

8. McLaren Tamanduá (2003-2004)

Assim como a Williams dentuça, foi outro retumbante fracasso. Talvez o maior da carreira de Adrian Newey, o gênio da Fórmula 1 atual. O McLaren com focinho de tamanduá, originalmente denominado MP4-18, deveria ter estreado na temporada de 2003. Mas o carro apresentou tantos problemas nos testes que sua estreia foi sendo adiada indefinidamente, até que o time desistisse de utilizá-lo no campeonato. Mesmo com uma versão revisada do carro anterior, o MP4-17, Kimi Raikkonen conseguiu brigar pelo título até a última corrida, sem que o MP4-18 fosse colocado para correr. No ano seguinte, veio o MP4-19, também tamanduático e problemático, que fez a equipe amargar apenas o quinto lugar no campeonato de construtores, sua pior classificação em vinte anos.

9. Toro Rosso (2006-)

Este existe até hoje. Se a Shadow e a Jordan se utilizaram de animais na pintura de seus carros, a Toro Rosso foi a primeira a adotá-lo até no nome da equipe. Tudo bem, já existia a Red Bull, mas aí é reprodução simples da marca de energéticos dona da equipe. Toro Rosso, que também significa “touro vermelho”, foi a bem-humorada versão Redbullesca que a marca austríaca deu para sua equipe-satélite, montada após a compra da italiana Minardi. Ficou simpático e a pintura do carro é linda, ostentando desde 2006 este touro revoltado na carenagem. E foi com uma pintura dessas que Sebastian Vettel ganhou pela primeira vez na Fórmula 1, em Monza/2008.

10. BMW Veado (2008)

A temporada de 2008 foi o apogeu dos apêndices e penduricalhos na Fórmula 1. Os carros eram tão cheios de recortes e aletas que brincava-se na época que, se o carro atropelasse uma batata, saía Ruffles do outro lado. Nessa onda, a BMW Sauber colocou chifres no bico do carro que se assemelhavam aos de um veado. As aletas não foram utilizadas em todas as corridas, mas ainda que discutíveis esteticamente, deram resultado. Foi a melhor temporada da equipe na categoria, culminando na vitória de Robert Kubica no GP do Canadá. Mas sem chifres naquela ocasião.

Comentários do Facebook

comentários

28 comentários

  1. Paulo Santos/RJ disse:

    Eu acho que os carros desse ano devem ser chamados de Carros-Pirarucu. Estão simplesmente horríveis. Vai interpretar regulamento mal assim lá na China.

  2. Flávio disse:

    O curioso é que a McLaren, apesar do fracasso dos bicos finos em 2003 e 2004, apostou novamente neste formato em 2006 a 2008 e brigou pau a pau com a Ferrari pelo título, em 2007 e 2008.

  3. Roberto disse:

    Faltou a Honda Orelhas de Coelho

  4. R. CASAGRANDE disse:

    A Jordan 197 era linda, eu adorava. E a Ferrari aí também. Se o MP4-18 fosse tão rápido quanto bonito, seria campeão no meio da temporada.

  5. giu disse:

    hahaha… se não tiver o que escrever, não escreva… Muito inutil esse post vey

  6. Fernando disse:

    Prezado Capelli, creio que ficou faltando o Willians FW13 com o bico de tucando. A equipe manteve o bico de tucando até o FW-16 com o qual o Senna se acidentou.
    Os FW-13, 14 e 15, mas especificamente os 2 últimos citados foram carros campeões, da era Adrian Newey na equipe.

  7. Sandro Marques disse:

    Parabéns! Interessantíssimo post Capelli. Depois dos bichos poderia fazer outro lembrando os carros que eram parecidos com outros tipos de veículos, como a McLaren que tinha um bico que parecia o de um avião Concorde. Era a de 1993 se não me engano.

  8. O carro da BMW ornava para o Nico Rosberg…

    Piada batida, mas não deu para resistir!

  9. Vapabuçu disse:

    Capelli, ficou faltando um clássico, a Ferrari F1 campeã de 1961 com Phil Hill, conhecida como “shark nose”, devido ao bico bipartido. Como vemos, a associação de f1 com tubarões vem de longe!

  10. Renato Martins disse:

    Faltou a Honda Orelha de dumbo. ehasioehai

    abs

  11. Marcelo Necro disse:

    Faltou os jaguares verdes pintados na carenagem dos carros da Jaguar Racing.

  12. E a Tyrrell de 6 rodas, parecia o que?

    Elson Advogado Fiel

  13. Arnaldo Vicente disse:

    faltou o hipopotamo pigmeu da Fittipaldi em 1975 mais mais feio q isso so bater no pobre animal http://4.bp.blogspot.com/_zK2GYsQ8HgM/SkjZ_lYftwI/AAAAAAAAEFM/F9qzAw54iA0/s400/FD01RV.jpg

  14. Ney Alencar - BH disse:

    Capelli, você é muito maldoso. Só porque no paddock se especulava sobre a opção sexual do Ralf, não é razão para colocá-lo “sentado na cobra”. O coitado até se casou (e com uma mulher!), pra ver se dava um fim aos boatos…

    E por falar em cervídeos, o BMW 2008 me lembra mais um gnu que um v(*)ado.

  15. Bah, não conhecia esse desenho da Shadow. Muito bonito e criativo, por sinal.

    O Bandeira Verde fez um trabalho semelhante: http://bandeiraverde.com.br/2012/02/10/top-cinq-cinco-bicos-assombrosos-e-esquecidos/. Entre os animais, o Tamanduá da Life (eterna) e o Tubarão-Martelo da Williams FW06

  16. Fred Berli disse:

    Essa Ferrari Bico de Pato era linda !

  17. Rafael Duarte disse:

    Capelli
    Faltou a Honda do Rubens/Jenson com as “orelhas de dumbo”, lembra?
    Abraco!

    • Capelli disse:

      Claro, lembrei sim. Mas é que “Dumbo” não dá pra caracterizar exatamente como animal, né? É um elefante, mas as orelhas dele não são como um elefante comum.

  18. Marcelonso disse:

    Capelli,

    Realmente o mundo animal faz parte da F1 há algum tempo, mas dessa vez exageraram…

    Dá uma olhada nesse excelente charge de Héctor Garcia sobre o tema – http://blogdomarcelof1.blogspot.com/2012/02/charge-fauna-perigosa.html

    abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>